al.abra

Ações começaram depois que empresa de cartões anunciou aumento de 40% nas tarifas de vendas por meio de cartões de créditos, atingido diretamente empresários do setor de alimentação fora do lar

Nos últimos meses, depois da Mastercard anunciar reajuste de 40% nas tarifas de cobranças no cartão de crédito, a Abrasel iniciou a campanha nacional “Mastercard, pare com isto!”, que possui o objetivo de pressionar a operadora de cartões para recuar e reduzir os ajustes. A ação contou com participação em massa dos associados, executivos, conselheiros e presidentes da Associação Brasileira de Bares e Restaurantes e alcançou 1,5 milhão de pessoas nas redes sociais. Além disso, medidas locais também foram tomadas em forma de protesto, como em Curitiba (PR), na qual vários empresários começaram a cancelar o cartão com a bandeira Mastercard.

Os procedimentos realizados pela Abrasel foram mobilizar os membros da Associação em diversas áreas e a sociedade para questionar a Mastercard nas redes sociais sobre o aumento das tarifas. Também foram produzidos anúncios publicitários, entre eles o que saiu na Folha de S. Paulo, no qual o presidente-executivo da Abrasel, Paulo Solmucci, cobra do Bacen e Cade atitudes em relação à verticalização do sistema financeiro brasileiro.

A Abrasel também gravou um vídeo direcionado ao presidente da república, Jair Bolsonaro, pedindo ajuda para barrar o aumento que irá prejudicar os empresários. O vídeo, divulgado no YouTube, atingiu 750 mil pessoas. Outra ação que gerou repercussão foi a “invasão” na live semanal de Bolsonaro. Mais de mil pessoas participaram para chamar atenção do presidente sobre os aumentos nas tarifas.

Para Solmucci, as ações realizadas mostraram ainda mais a força que a Abrasel possui e afirma que não irá se omitir diante os abusos cometidos contra o empresário e o consumidor. “Ver os números que conseguimos atingir é importante, pois mostra a união que o setor possui e diz que não vamos ficar calados. É absurdo o que estão fazendo, já temos um dos maiores spreads do mundo e os bancos estão lucrando 20% a mais que no ano anterior. Com o aumento das tarifas eles vão lucrar ainda mais!”, afirma. “Vamos incomodar até conseguirmos mudar este cenário lamentável”, finaliza.

Comentários